Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. Clarice Lispector
Escrevo como se estivesse dormindo e sonhando: as frases desconexas como no sonho. É difícil, estando acordado, sonhar livremente nos meus remotos mistérios.Clarice Lispector

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Perdemos tempo...



Perdemos tempo com coisas tão prosaicas.
Deveríamos viver mais o momento.
Viver o presente
sem nos cobrarmos tanto.
Viver cada instante como se fosse o último.
Prestar mais atenção à letra da música.
No céu estrelado, na lua...
No barulho da chuva fina...
Nas trocas.
Nos risos.
Decorar a visão do corpo nu,
sobre os lençóis desarrumados.
Decorar a expressão da face adormecida.
Somente para tê-la nas lembranças
como num sonho...
Lembranças que excitam.
Que matam a saudade...


Roseli A.

2 comentários:

  1. Muito profundo esse poema, gostei muito.

    Beijos

    Daniel Tôrres

    ResponderExcluir
  2. Deveriámos exercitá-lo mais...rs...

    ResponderExcluir