Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. Clarice Lispector
Escrevo como se estivesse dormindo e sonhando: as frases desconexas como no sonho. É difícil, estando acordado, sonhar livremente nos meus remotos mistérios.Clarice Lispector

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Sinto-me...


Sinto-me querido,
acariciado...
Estou como quem ganha um beijo na alma.
Meu riso no canto da boca é só meu...
É só meu porque meus olhos não encontram os teus.
Continuo sorrindo em silêncio.
Sorrir baixinho me basta.
Sei que teu coração está ouvindo o meu gargalhar.
Também suspiro profundo.
Trago você pra pertinho do meu peito.
Fecho olhos pra te tocar devagarinho.
Sinto tua pele.
Teu cheiro.
Teu gosto...
Gosto do quê?
Gosto de café coando...
O coador de pano suspenso sobre fogão a lenha
encarrega-se de espalhar teu aroma.
Adoro brincar contigo.
Sou como criança arteira que não se cansa...
Ainda vou te apertar contra a parede.
Suforca-te com meus beijos.
Mostrar-lhe o poder das tuas palavras em meu corpo...
Max B.

sábado, 29 de maio de 2010

Você me faz...


Você me faz parar no tempo...
Faz-me sentir inflado de sentimentos e carícias.
É gostoso sentir a vida correndo em nossas veias...
Somos sensíveis porque isso nos faz bem...
É gostoso sorrir sozinho.
Amar em silêncio...
Chorar com as estrelas.
Sorrir com a lua...
O que há de mal em ser humano?
Que mal há em gostar da própria companhia?
Por que não dizer à imagem no espelho que a ama?
Por que não sermos nós mesmos,
longe dos dogmas e normas sociais?
Max B

quarta-feira, 26 de maio de 2010

O Encontro...


Ao cair da noite vou ao seu encontro.
E pela forma que aconteceu.
Misturas de sentimentos.
Ansiedade.
Medo.
Euforia.
Alegria.
Nos primeiros minutos,
mãos úmidas e frias.
Depois singela calmaria.
Diálogos.
Risos.
Gargalhadas.
Troca de olhares.
Jogo de sedução.
Após o primeiro beijo,
sussurros em seu ouvido.
Carinhos...
Desejo mútuo...
Arrepios...
Respiração ofegante...
Nada mais faz sentido,
exceto eu e você...
E em nada adianta pensar.
Apenas no (re)encontro.


Roseli A.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Do outro lado da porta...


Do outro lado da porta sinto o cheiro do café a coar.
Do outro lado da porta sinto calafrios de incertezas.
Do outro lado da porta está alguém que desejo olhar nos olhos.
Que desejo ouvir o riso.
Que desejo sentir o calor.
Que espero sentir o perfume como de uma flor.
Alguém que como eu estava sentada à beira do caminho.
Ambos esperávamos em direções opostas.
Enquanto eu seguia numa direção,
ela se aproximava sem saber.
Eu tampouco sabia dessa aproximação.
Seguíamos linhas divergentes que enfim convergiram.
Não há regras de três para se chegar a um resultado.
Nem tampouco uma progressão geométrica.
Não há somas, muito menos divisões.
Para o destino não existe fórmulas.
Ele simplesmente aproxima.
Traça as linhas, sejam paralelas, sinuosas, coordenadas,
todas tendo um ponto como apoio para suas convergência.
Não estabelece relação largura/comprimento,
nem preocupa em impor uma proporção determinada.
Simplesmente traça,
nos coloca sobre as linhas/caminhos da vida.
Destino!
De um lado o que meus olhos vêem e do outro o que você vê.
Destino!
Hoje não sei, amanhã talvez.
Destino!
Do outro lado da porta é o futuro.



Max B.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Queria...

Hoje queria te olhar nos olhos.
Alegrar-me com teu riso.
Dar-te um abraço apertado.
Sentir o teu corpo aquecendo o meu.
Teus braços em minha volta.
O calor do teu respirar arrepiando
os pelos do meu corpo.
Ouvir tua voz sussurando baixinho.
Um toque do seu carinho.
Um pouquinho do teu ser.
Max B.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Quando você some...


Quando você some.
Meu coração sente.
Minha alma chora.
Quando você some.
Meu coração clama
pela tua presença.
Meus olhos suplicam
pelas tuas palavras.
Já meu corpo,
apenas faz o que pode...
Deseja...
Max B.

Sedução...


Sob o vestido negro,
mistérios.
Pernas torneadas.
Unhas rubras.
Caminhar sensual.
Movimentos lentos.
Cruzadas de pernas...
O Toque nos cabelos.
Ansiedade de arrumá-los...
Olhar sedutor.
Lábios encarnados..
A forma sensual de movimentá-los.
A fala serena.
Sorriso malicioso...
Mordidinhas no canto da boca...
Tocá-la sutilmente com os dedos.
Contorná-la com a língua.
Insinuar que gostaria de ser beijada...
Finjir que foi sem querer,
disfarçar.
Naturalidade.
Olhar nos olhos,
penetrá-los...
Fazer com que ele sinta seu desejo...

Roseli A.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Samba...

O samba tem sua magia.
Seu encanto....
O samba lava a alma.
Renova as energias.
Leva a dor.
O samba nos traz de volta à realidade.
Nele juramos nunca mais amar.
No samba encontramos amores.
E malandros abusados.
Não que os malandros não amem.
Eles transformam seus amores em poesia.
Amores verdadeiros?
Quem importa?
São amores de samba...
Uma roda de samba é bom lugar para ser feliz.
O samba pra mim tem nome.
Liberdade!




Roseli A.

sábado, 15 de maio de 2010

Quando a saudade apertar....Malu Monte

Se um dia sentires saudades de mim...
Procure-me no reluzir da estrela mais brilhante.
No clarão da lua.
Na força das ondas do mar.
Na beleza da rosa vermelha.
Na inocência do sorriso de uma criança.
No canto dos pássaros.
Na liberdade do vôo da águia.
Na claridade de cada amanhecer.
Nas gotas do orvalho que cai.
E se, ainda assim, você não conseguir saciar esta saudade.
Siga na direção do vento e me encontrarás no final do arco-íris.
E eu te direi: Vinde a mim, eu estava mesmo a te esperar!...
Malu Monte

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Perdemos tempo...



Perdemos tempo com coisas tão prosaicas.
Deveríamos viver mais o momento.
Viver o presente
sem nos cobrarmos tanto.
Viver cada instante como se fosse o último.
Prestar mais atenção à letra da música.
No céu estrelado, na lua...
No barulho da chuva fina...
Nas trocas.
Nos risos.
Decorar a visão do corpo nu,
sobre os lençóis desarrumados.
Decorar a expressão da face adormecida.
Somente para tê-la nas lembranças
como num sonho...
Lembranças que excitam.
Que matam a saudade...


Roseli A.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Convite...


O Museu da Pessoa - Center for Digital Story Telling - Argonautas e
Universidade Cruzeiro do Sul
Convida

III Dia Internacional de Histórias de Vida
Campanha Espalhe 1 História16 de maio de 2010

Em 2009, mais de 200 organizações em 20 países do mundo realizaram ações para celebrar o Dia Internacional da História de Vida. Através das publicações no site ausculti.org, vimos diversos exemplos na prática de como histórias de vida podem expandir o processo de democratização e transformação da cultura. Desejamos que todos participem registrando, com círculo de histórias, contação ao público, eventos, exibição de filmes, documentários, encontros on-line para troca de histórias. Colaborador do projeto: Rede Internacional de Museus da Pessoa (Brasil, Portugal, Estados Unidos e Canadá) e Center for Digital Storytelling (Estados Unidos, Canadá, Dinamarca e África do Sul).
Inspirados nesse terceiro ano do Dia Internacional da História de Vida, Samir Raoni, Documentarista e Pesquisador de Histórias de Vida do Pólo Pará do BMR/ARGONAUTAS (PA) e Nilce Léa Lobato, Pedagoga e Pesquisadora de Histórias de Vida CNPq/Universidade Cruzeiro Sul (SP), parceiros desde 2009, vamos somar nessa manifestação com a ação “História de Vida do Norte e Sul do Brasil em Rede” que integra e fortalece os objetivos do projeto “Memória Social em Rede – Histórias e Cultura do espaço rural e urbano do Norte e Sul do Brasil” que tem como tema a memória social composta por histórias de vida de Jovens e adultos que residem em São Paulo/Cananéia e Belém do Pará/Ribeirinha e Quilombolas, zona urbana e rural.
Programação em Rede:

PÒLO PARÁ BRASIL MEMÓRIA EM REDE-ARGONAUTAS (BELÉM-PA)-Responsável:Samir Raoni
Dia 15/05 – Horário: 9:00h às 17:30 h Histórias dos cine-ativistas do Instituto Mãe Nangetu
Dia 16/05 – Horário: 18:00h as 22:00h Instituto Refazenda ou Cajueiro das Idéias

UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL (SÃO PAULO) - Responsável: Nilce Léa Lobato
Dia 13 à 16/05 – Campanha “Espalhe 1 História” na Universidade Cruzeiro do Sul
Dia 13/05 - Horário:15:00h às 18:00h Roda de Histórias com alunos do PROEJA
Dia 13/05 - Horário: 19:00h às 23:00h Sala 105 A - IIIV Simpósio de Pedagogia - Oficina: Histórias e Memória: A metodologia da história oral na produção da memória

Espalhe sua História: http://www.centrodememoria.ning.com/ http://www.ausculti.org/ http://www.museudapessoa.net/

Parceiros deste Projeto:
Organização:
Pólo Pará do Brasil Memória em Rede-Belém/Argonautas PA
Pró-Reitoria de Extensão – Programa de Pesquisa em Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) S.P
Documentarista e Pesquisador de Histórias de Vida: Samir Raoni
Pedagoga e Pesquisadora PIBIC/CNPQ de Histórias de Vida: Nilce Léa Lobato
Coordenação Geral: Profª Drª Rosemary Aparecida Santiago

Sonho de Ícaro...

terça-feira, 11 de maio de 2010

Dia de Ícaro...



Não importa a forma como expõe as palavras.
O importante é que seja entendida pelo outro.
Nada mais é importante do que isso.
Assim como os gestos,
a forma do texto é o que menos importa.
Brincar com as palavras dá prazer.
Dá prazer a quem usa a escrita como meio de sorrir,
falar e desabafar.
Estou em dia de Ícaro.
E poucos entendem o que quero dizer.
Talvez alguns lembrem a música: sonho de Ícaro!
Talvez quem conheça a mitologia grega.
Mas não quero ser claro.
Quero apenas que você me entenda...
Que saiba que o meu desejo é voar, voar, subir, subir,
ir por onde ninguém foi...


Max B.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Ele...


Continuo a entender seu olhar e seu sorriso.
O sorriso anda diferente.
Não é mais uma simples expressão,
revela a felicidade perdida.
Seus dias andavam cinzas.
O céu acinzentado vai sendo substituído pelo tom azul.
O sol começa a brilhar.
Em seus poemas, ocultas expressões.
O sorriso da misteriosa mulher o sufoca.
O sorriso sufoca, mas incendeia.
O olhar indiferente queima por dentro.
Explosão de sentimentos...
A indiferença revela emoções?
Quem sabe o medo?
Medo de se perder.
Medo de sonhar.
Medo de se (re)encontrar
Medo da solidão?
É o medo de amar...
Roseli A.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Constatação...

Ele não consegue se entregar.
Se doar.
Sua face não anuncia emoção.
Alegria.
Carinho.
Afeto.
Desejos.
Não consegue expor a nudez dos seus sentimentos.
Apenas gestos mecânicos.
A emoção morre ali.
Que frieza na alma!
Que mundo sem cor!
Sem poesia.
Sem canção.
Sem amor.
Apenas solidão.

Roseli A.

Lua Nua...


Nua no meio da rua
Sem pudores te espero.
Observada por estrelas que brilham.
No negro céu da noite.
Focada pelo clarão da lua.
Sinto-me num palco de ilusões.
Como atriz principal.
A declarar o meu amor.
Nos versos que fiz.
Diante da platéia imaginária.
Aqui, agora, nua, no meio da rua,
Sob aquela mesma lua.
Que outrora nos servira de cenário.
Viajo na companhia de cometas.
Sonhadora a esperar por ti.

Poesia de Malu Monte.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Penso em você...


É loucura brincar com as palavras.
Penso em você de forma libidinosa.
E das minhas mãos saem delicadas impressões.
Não importa se teus olhos me secam.
O que importa é o teu ser que me quer.
Não importa se teus lábios me negam.
O que importa é que eu te tome em meus braços e te faça mulher.
A tua boca na minha tem gosto de sorvete.
Os teus olhos brilham como cereja.
Você me deixa sem jeito, com cacuete.
Por favor, faça comigo o que meu corpo deseja!


Max B.

Ontem falei com Deus...



Ontem falei com Deus.
Faz tempo que não peço nada, s
omente agradeço.
Ele sabe de tudo que preciso.
Sabe dos meus segredos mais íntimos.
Assim, deixo-o agir em minha vida.
Minha vida lhe pertence faz muito tempo.
Em meus pensamentos sua face é única.
Seu olhar é terno.
Seu sorriso é doce.
Sempre sorri para mim.
Sorri como se quisesse dizer algo.
Algo que somente eu e Ele entendemos.
Deus é meu melhor amigo.


Roseli A.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Amor é fogo que arde sem se ver ...Luís Vaz de Camões...


Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.
É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

O primeiro encontro...


Diante da incerteza do primeiro encontro.
Imagino suas mãos frias de tensão.
Por não saber o que o futuro lhe reserva.
Sua imagem me dá prazer.
Imagino a forma da tua boca trêmula ao me ver.
As tuas mãos frias ao me tocarem.
O teu respirar descontrolado.
O suor que te agoniza.
O tempo que não passa.
A distância medida pelos teus olhos.
Entre os teus e os meus lábios.
Encurte-a, renda-se.
Beije-me...

Max B.
Roseli A.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

O café está servido?


Quando me provocas, te desejo.
Quando se abre, me excito.
Dá vontade de te agarrar.
Te beijar, te sufocar em carícias...
Louco e voraz.
Sonhei loucuras.
Um sonho irrealizável.
Vejo-me um adolescente.
Inconsequente.
Sinto vontade de voar.
De brincar contigo.
Te fazer cócegas para vê-la sorrir às gargalhadas.
Te fazer suspirar profundo...
Sensação coroada com um riso sutil emoldurado de felicidade no canto da boca.
Quero ter tempo para te ouvir, te ver, te sentir...
Saber mais de você.
Imagino seu sorriso gostoso estampado no rosto.
É bom sentir sua alma se aninhando à minha quando diz dos seus defeitos físicos,
dos seus defeitos como ser humano,
das loucuras de criança adolescente e até a criança adulta...
Hoje saí de casa acreditando que veria em minha tela o seguinte convite:
"O café está servido. Estou lhe esperando".
O café está servido?

Max B.
Roseli A.

domingo, 2 de maio de 2010

Dá para matar a saudade?...


Dá para matar a saudade?...
Sim!
Basta um (re)encontro.
No (re)encontro, um sorriso...
Um beijo na face.
Olhares que desnudam.
Saudade do cheiro, do gosto da pele.
Das mordidas.
Dos sussurros.
Da respiração ofegante.
Do corpo suado e cansado.
Do sorriso constante.
Do contentamento.
Ainda bem que existe o (re)encontro.
Para que o amor aconteça
novamente...


Roseli A.