Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. Clarice Lispector
Escrevo como se estivesse dormindo e sonhando: as frases desconexas como no sonho. É difícil, estando acordado, sonhar livremente nos meus remotos mistérios.Clarice Lispector

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Porque Brigamos....Diana

O vídeo não condiz muito com o espaço (será?!), mas hoje lembrei muito da música...Minha mãe cantarolava enquanto fazia suas atividades diárias (leia-se domésticas)....rs..Ah! existe um outro motivo, mas deixa quieto...rsrs


video

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Namorar ou ficar : Eis a questão?


Hoje voltei a refletir acerca de vivenciarmos situações que não fazem parte do nosso eu. Mas o que significa? Se não estamos preparados para arcar com as consequências dos nossos atos é melhor ir devagar... Uma amiga comentou que não consegue “ficar por ficar”, ou seja, se envolver com alguém sem envolvimento afetivo. Acho que a maioria não lembra a música “Amante Profissional”, que foi sucesso nos anos 80, gravado originalmente pela Banda Herva Doce e, ainda pela Banda Dr Silvana e Cia... E o cantor Latino teve a infeliz idéia de regravá-la, estragou a música... (Nada contra o Latino, hein gente!)

Afinal, porque estou citando a música?...Ficar por ficar sugere apenas envolvimento sexual, certo?!...Não criar expectativas de envolvimento?!... Coisa chata de ser discutida!

Penso que muitas mulheres foram educadas de modo diferente e quando tentam se enquadrar no “modelo” de relacionamento atual sente-se perdidas. Não gosto de dar conselhos, mas falei que ela (a amiga) teria que pensar sobre o tipo de “relacionamento” que deseja estabelecer com ele (o rapaz). E, ainda, tentar sentir se a recíproca é verdadeira. Logo, se não há pontos comuns no que diz respeito ao querer de ambos, melhor pegar o banquinho e sair de mansinho, isto é, cair fora...

Pesquisei algumas definições sobre namorar e ficar: Segundo o dicionário informal namoro é “uma instituição de relacionamento interpessoal não moderna, que tem como função a experimentação sentimental e/ou sexual entre duas pessoas através da troca de conhecimentos e uma vivência com um grau de comprometimento inferior à do matrimônio. A grande maioria utiliza o namoro como pré-condição para o estabelecimento de um noivado ou casamento, definido este último ato antropologicamente como um o vínculo estabelecido entre duas pessoas mediante o reconhecimento governamental, religioso ou social”.

Já ficar sugere o inverso: “um relacionamento que pode durar dias, semanas ou apenas um momento. Sem compromisso de assumir nada, sem obrigação de fidelidade e companheirismo, apenas momentos e trocas de beijos e carinhos, que podem acontecer apenas quando ambos decidirem e permitirem”.

Ficar não há prisão ou compromisso, não precisa dizer aonde vai, liberdade total, e nenhum envolvimento sentimental. Mas pode acontecer um envolvimento maior de ambas as partes, envolvermos mais do que imaginamos. Eis que aí reside o perigo! Portanto, é melhor ficarmos atentos ao tipo de relacionamento que temos e queremos ter.

Não devemos ter receio de desnudar nossos anseios e desejos por medo de sermos ridicularizadas. Devemos expor nossos pensamentos (quando bem pensados) e nosso sentir, sempre!... Logo, se sente vontade de procurar alguém para conversar, procure! Caso não obtenha resultado, pelo menos foi sincera consigo mesma.

Ah! Sou do tempo que namorar era coisa séria...

Até...

Roseli A.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Essa tal felicidade...Tim Maia...

Meu sonho, seu sonhos, nossos sonhos...O sonho de tanta gente....Gente, assim, diferente...


video

Sobre certas coisas...


Ser subestimada realmente me ofende, principalmente quando subestimam minha capacidade de pensar sobre...

Então, meu caro nunca, mas nunca subestime a inteligência de uma mulher. E tem mais “nunca confie na mulher que diz a verdadeira idade, pois se ela diz isso... Ela é capaz de dizer qualquer coisa” (Oscar Wilde)... Afinal, já que sempre digo minha idade, então falo o que penso sem piedade!...No entanto, digo tudo que penso, mas penso sobre tudo que digo... Cautelosamente....

Ah! Ontem literalmente me vi cansada de ser gentil. Percebi que ainda não superei minha “falta de coragem” de dizer: Não quero!

Percebi que algumas pessoas pensam que acreditamos em tudo. Porém, na maioria das vezes, fingimos acreditar até que provém o contrário.

Cabe lembrar que as máscaras caem....pode demorar, mas um dia caem...E quando caem., sai de baixo...

Enfim, tem um provérbio Chinês que diz: Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida...

Até...

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Entre Caminhos...


Eis que vaguei muito tempo sem direção, sem destino. Procurei-me em lugares, pessoas e a liberdade estava dentro de mim...

A vida percorre uma estrada asfaltada, onde as margens são floridas e sinalizadas. Nós, não queremos experimentar o árduo trabalho de construir o caminho, de embelezá-lo e sinalizá-lo. Afinal dá trabalho!

Talvez seja mais fácil abandonar a fé, crer no vazio que desemboca num vazio maior ainda. Um vazio, que na maioria das vezes, buscamos preencher por outros caminhos que parecem mais seguros. Mas que nos levam a inseguranças maiores ainda.

Nessa busca sem fim, me perdi tantas vezes, trilhando caminhos que me levavam ao vazio. Nesse processo, como num ciclo vicioso, me invadi, me envolvi e me perdi tantas vezes. Realmente atraímos semelhantes, pessoas tão perdidas quanto nós.

Senti que era o momento de ficar sozinha e buscar me conhecer melhor, já que havia chegado a conclusão que me era estranha, ou seja, não me conhecia muito bem.

Ao optar por ficar sozinha tive a oportunidade de refletir sobre minha história de vida e mergulhar no meu passado, trazendo à tona acontecimentos bons e ruins. Nessa imersão, refleti sobre a minha vida de modo reflexivo, desvendando-me e, no processo, conhecendo meus segredos.

Hoje posso dizer que me conheço meu corpo e minha alma. Estou vivendo uma fase onde “eu me basto”, a isto se dá o nome de auto-suficiência.

22/10/2010

Roseli A.




Disponível em: http://diariodaslobas.blogspot.com/2010/10/primeiras-impressoes.html

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Pensamentos loucos e lúcidos?!


Ontem quando fazia minha caminhada no parque encontrei por acaso uma amiga. Nossas conversas são sempre produtivas e reflexivas. Ela é Psicóloga e tem uma longa trajetória na docência e psicologia clinica. No entanto, as conversas são reflexivas devido a afinidade que há entre nós. Conversamos sobre amenidades, mas mesmo as amenidades, na maioria das vezes, deixam uma frase que pode levar a refletirmos sobre um determinado assunto. Eis que uma frase ficou martelando em minha cabecinha coberta por longas madeixas negras (rs). “não tenho tempo a perder, realmente quero encontrar alguém que possa ter um relacionamento”.
Enfim, faz exatamente três anos que optei por estar sozinha. Mas será que foi somente por opção ou por não encontrar alguém que realmente me instigue a investir na relação?

Sempre digo que sou (exatamente) o que o outro me desperta e, não andam me despertando (absolutamente) nada... Não é a toa que escrevi o texto “Ando Assim”:

Ando assim...
Feito dia sem sol.
Céu sem nuvem.
Verão sem calor.
Ando assim...
Feito noite sem lua.
Sem estrelas.
Ando assim.
Feito jardim sem flores.
Sem beija-flores.
Ando assim...
Feito amor sem caricias.
Sem lembranças.
Sem afeto.
Feito um barco a deriva.
Alma ferida.
Sem luz.
Nem tenda.

Em meio a pensamentos acho (ainda estou no achismo) que ando sentindo falta de ter alguém especial na minha vida. Porém que venha acrescentar algo diferenciado a ela. Calma, não estou desesperada para ter alguém! O desespero passa longe de mim...

Nos últimos três anos aprendi a conviver com o silêncio e a solidão. Aliás, aqui em casa amamos o silêncio (eu e meu filho). No silêncio é que acontecem as melhores reflexões, escutamos as melhores músicas e ouvimos os nossos mais íntimos pensamentos. Pensamentos loucos e lúcidos, que trazem sabedoria. Que amadurecem a alma.

Temos que estar atentos aos chamados do silêncio, já que pode ter duplo sentido, onde a ausência da voz também soa como um discurso num rio vazio. O momento de rever conceitos, de tomar para a si o silêncio e partir em busca de algo que venha trazer serenidade a seu coração.

Talvez seja o momento de rever meus conceitos, de reverter o processo e me dar à chance de ser (mais) feliz.

Até...

Roseli A.

Disponível também em: http://diariodaslobas.blogspot.com/2011/02/pensamentos-loucos-ou-lucidos.html